• João Rabello

Permissão

Permita-me ver o teu desejo


Se é brisa que desce a colina

ou lava que explode sem aviso

Se é onda que quebra na praia

ou sol que avermelha a pele

Se é sede de conquista

ou desejo de refúgio

Se é sono de fim de tarde

ou insônia em alta noite


Eu peço,

Para ver o que só encontro em sono profundo

Acenda uma luz em teu corpo

e eu apago todas as luzes do mundo

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

E chega a estafa Que me encontra uma estopa No sofá há muito estofado Numa estufa de esterco Num estado de pouco estímulo E chega a estafa Que dessa vez me encontra Sobre o estrado E me extenua Estanc

A mecanicidade fria com que os pés se alternavam não escondia o peso inadequado sobre os ombros. Este homem caminhava por uma calçada que lhe parecia estranha, mesmo a tendo percorrido inúmeras vezes

Deitados em um sofá, num tempo indeterminado, relembramos uma história de amor que jamais aconteceu: - Estava pensando naquele dia em que quis conversar com você mas recuei – eu não comecei. - Aquele