top of page
  • Foto do escritorJoão Rabello

História de amor nenhum

Atualizado: 17 de set. de 2020

Deitados em um sofá, num tempo indeterminado, relembramos uma história de amor que jamais aconteceu:

- Estava pensando naquele dia em que quis conversar com você mas recuei – eu não comecei.

- Aquele dia que você ficou olhando para mim e eu pensei que você ia falar alguma coisa? - ela não disse sem acariciar a minha mão.

- Imagina se eu tivesse falado, ou melhor, imagina se tivéssemos saído na semana seguinte? A gente estaria aqui, nessa relação nenhuma. – eu não me defendi.

- Verdade, como seria a nossa vida hoje? – ela não perguntou.

- Não sei dizer – e então deixei de ajeitar seu corpo para se acomodar melhor ao meu.

- Teríamos feito aquela viagem para lugar nenhum - ela não chegou a concluir.

- Sim, lindo aquele lugar. Lembra que naquela noite não abrimos aquele vinho? – eu nunca comentei.

- Sim, não me lembro. Passamos aquela noite rindo de histórias que não contamos – e ela lança um sorriso que não encontra o céu.

- Aquela viagem que não aconteceu não foi especial. Deixo de guardar com muito carinho essa lembrança – não abri um sorriso só para mim.

- Essa lembrança eu também não guardo – e agora ela não deixa de olhar para mim.

- Pois é, acho que foi ali que não tivemos a chance de nos apaixonarmos. Foi nesta viagem que não olhei nos seus olhos e não pude perceber que queria você ao meu lado – ninguém viu esse meu olhar reflexivo.

- Eu já desconfiava que a gente não teria futuro. Quando você não me chamou para sair e eu não disse sim, deixei de ver o quanto a gente faria bem um ao outro, e foi isso que me fez não gostar de você. Foi ali que comecei a não me apaixonar – ela não disse.

- Logo assim no início? Eu não fui gostando de você, eu te achava muito bonita, tinha alguma coisa em seus olhos que eu não conhecia, incapazes de olhar com cinismo. Todo olhar que você nunca me lançou deixou de extrair de mim apenas a verdade – me calei.

- Comigo foi assim logo no início que não aconteceu, acho que sou romântica – ela abre um sorriso e não me olha pelo canto do olho, com uma graça de quem não me conhece muito bem.

- Para mim, algo não aconteceu naquela viagem. Quando não pude descobrir ao seu lado um mundo completamente novo e que nunca existiu. Foi ali que eu não me apaixonei por você – deixei de confessar para ela.

- Quem bom que você não me convidou para jantar e eu não disse sim – ela não sorri.

- Essa história de amor nenhum foi um presente que nunca ganhei – não conclui.

- Imagina se você tivesse me chamado para sair – ela não pensou uma última vez.

- Imagina se você tivesse dito sim – pensei sozinho.

98 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Máquina de Saudade

Ele nunca esqueceu a cor daquela terra. Diversos tons de amarelo se misturavam a tons de laranja, vermelho e marrom. Quem via de longe, passando de carro pela estrada, podia achar que era uma cor só.

Ou algo assim

Faz tempo, confesso, mas o relato vale a pena. Adianto também que todas as informações a seguir são verdadeiras e correspondem fielmente à sequência objetiva dos fatos narrados. Estava almoçando num r

Às ordens

- Doutor Paiva, a temperatura do ar está agradável? Ao ouvir a pergunta e observar o olhar assustado do jovem rapaz, o Doutor Roberto Paiva, que naquela semana completava quatro décadas à frente de um

bottom of page