• João Rabello

Estafa

E chega a estafa

Que me encontra uma estopa

No sofá há muito estofado

Numa estufa de esterco

Num estado de pouco estímulo


E chega a estafa

Que dessa vez me encontra

Sobre o estrado

E me extenua

Estancando o pulso

Com sua estaca


E chega a estafa

E me apoio ao esteio

Estanque

Estando só

Desejando estar distante

Em alguma estrada

E chega a estafa

Que pergunta meu nome

Segurando um copo de estanho

Te chamo Eustáquio? Pergunta

Não, seria estranho

Me chame Estêvão


E nesse estágio da vida

Chega a estafa

Quando olho o extrato

Quando começo o estudo

Quando acordo feito estátua

E assim chega a dor em estacato

Que me estremece a entranhas

E me deixa nesse estado


Sem saber onde estou

Onde estive

Ou quanto tempo tenho

Estimado

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Permita-me ver o teu desejo Se é brisa que desce a colina ou lava que explode sem aviso Se é onda que quebra na praia ou sol que avermelha a pele Se é sede de conquista ou desejo de refúgio Se é sono

A mecanicidade fria com que os pés se alternavam não escondia o peso inadequado sobre os ombros. Este homem caminhava por uma calçada que lhe parecia estranha, mesmo a tendo percorrido inúmeras vezes

Deitados em um sofá, num tempo indeterminado, relembramos uma história de amor que jamais aconteceu: - Estava pensando naquele dia em que quis conversar com você mas recuei – eu não comecei. - Aquele