• João Rabello

A resposta de Rita

“Sabe em que outro lugar você encontra uma empada dessas?” - Ivan terminou a pergunta com uma mordida no salgado. Foi nesse momento que Rita chegou a uma conclusão trágica: o casamento foi um erro que durava dezesseis anos. Ela nada falou naquela hora, mas revelou sua conclusão quando chegaram em casa.


Rita notou logo no primeiro encontro: “Sabe quantas vezes eu tive que telefonar para reservar essa mesa?”- Ivan deixou escapar enquanto sentavam num restaurante. Naquela época, porém, tudo era mais simples, seus rostos eram novidade e seus corpos não doíam de cansaço.

O passar dos anos não ajudou, afinal, a experiência de Ivan aumentava assim como sua confiança no próprio conhecimento. “Sabe quantas pessoas eu já atendi no consultório?”- ele dava um jeito de colocar num jantar com amigos. Rita quase não notava mais. Às vezes, variava um pouco: “Você faz ideia do quanto esses caras já roubaram o Brasil?”- disse enquanto assistia ao noticiário. Estavam sempre lá, desde o primeiro dia.


Rita avisou que era o fim. “Você faz ideia do que isso significa?” - expôs um marido incrédulo. Ela não aguentava mais, não era possível dizer o que os unia, quem ela era, quem poderia ter sido. Seguir sozinha pelo mundo em busca de respostas era um prognóstico assustador, contudo, não parecia haver outro caminho.


Ivan reagiu mal, mas manteve a dignidade. Respeitou a decisão da esposa com quem imaginava seguir a vida ao seu lado. Segurando a porta do elevador com uma mala nas mãos, virou-se para Rita: “Você sabe quando vai encontrar alguém como eu?” e saiu.


Foi assistindo à um programa de televisão que ela percebeu o erro. Os comentaristas discutiam, cada um mais convicto do que o outro, sem qualquer traço de emoção. Nos meses seguintes, ela passou a notar que a sua volta as pessoas despejavam afirmações com olhares cínicos e cansados.


Ao voltar, se abraçaram, Ivan olhou aliviado nos olhos de Rita e falou com sentimento genuíno: “Você faz ideia do quanto eu te amo?”.

42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Permita-me ver o teu desejo Se é brisa que desce a colina ou lava que explode sem aviso Se é onda que quebra na praia ou sol que avermelha a pele Se é sede de conquista ou desejo de refúgio Se é sono

E chega a estafa Que me encontra uma estopa No sofá há muito estofado Numa estufa de esterco Num estado de pouco estímulo E chega a estafa Que dessa vez me encontra Sobre o estrado E me extenua Estanc

A mecanicidade fria com que os pés se alternavam não escondia o peso inadequado sobre os ombros. Este homem caminhava por uma calçada que lhe parecia estranha, mesmo a tendo percorrido inúmeras vezes